PUB
PUB
precariedade [Ortografia / Derivação]

Ao escrever um texto num computador que tem instalado o vosso corrector ortográfico FLiP 5, verifiquei que a palavra por mim usada "precaridade" é assinalada como erro. Habituada a ver constantemente em propaganda política o erro "precariedade", verifiquei com horror que esta era a sugestão do FLiP! Felizmente tenho em casa um bom dicionário da Porto Editora munida do qual pude provar ao meu marido que não sou eu a ignorante... Em nome do meu marido e de tantos outros que não se podem dar ao luxo de dispensar o corrector ortográfico, solicito a V. Exas. que se dêem pressa em corrigir este grave erro, a fim de evitar que as gerações vindouras, de léxico já tão fragilizado, aprendam o erro como coisa certa e venham depois arrogantemente corrigir os poucos que ainda vão sabendo falar e escrever um português escorreito.
Paula Cristina Pedroso Gonçalves (Portugal)

A forma correcta é precariedade: não se trata de erro, conforme pode verificar seguindo a hiperligação para o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa ou consultando outras obras lexicográficas, como sejam o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa, o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, o Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, o Grande Vocabulário da Língua Portuguesa, de José Pedro Machado, ou o Vocabulário da Língua Portuguesa, de Francisco Rebelo Gonçalves (este último refere mesmo que precaridade se trata de forma inexacta de precariedade). Aliás, a generalidade dos dicionários e vocabulários regista apenas precariedade, dado ser esta a forma que respeita as regras de boa formação morfológica em português: de facto, os adjectivos com a terminação átona -io (ex.: espúrio, hereditário, sério, transitório, vitalício) formam os substantivos correspondentes por aposição do sufixo -edade (ex.: espuriedade, hereditariedade, seriedade, transitoriedade, vitaliciedade), terminando por isso em ‑iedade.

O Grande Dicionário Língua Portuguesa (2004), da Porto Editora, regista, efectivamente, a palavra precaridade, remetendo-a para precariedade, tal como acontece no dicionário electrónico Cândido de Figueiredo – Grande Dicionário Electrónico da Língua Portuguesa (Bertrand Editora / Máquinas em Movimento – Oficina Multimédia Lda., 1996 [CD-ROM]) ou no Novo Grande Dicionário da Língua Portuguesa Conforme Acordo Ortográfico (Texto Editores, 2007). As razões inerentes a esta inclusão prendem-se provavelmente com o uso, com a necessidade de reencaminhar os falantes para a forma preferencial ou devem-se a outros critérios sobre os quais poderá questionar as respectivas editoras/equipas editoriais.

Em momento algum, porém, se pode afirmar que precariedade é um erro, pois é justamente essa a forma considerada mais correcta. A forma precaridade advém da possível confusão com palavras formadas por aposição do sufixo -idade, muito produtivo em português, como regularidade (de regular + -idade) ou efemeridade (de efémero + -idade).

A Priberam zela por incluir no léxico do FLiP termos atestados em obras de referência, nomeadamente, prontuários, vocabulários e dicionários. A ortografia de tais obras rege-se, em princípio, pelos principais textos legais em vigor para a norma europeia (sobretudo o Acordo Ortográfico de 1945 e o Acordo Ortográfico de 1990), respeitando a tradição lexicográfica portuguesa. A inclusão de novos vocábulos, seja por sugestão de utilizadores, seja por pesquisas em corpora, quando não atestados em obras de referência, é efectuada apenas se a sua formação respeitar as regras ortográficas e morfológicas da língua portuguesa.

Ver também: interdisciplinaridade e preestabelecido, tauba

Cláudia Pinto, 02/05/2008

Notas:

  1. As respostas são datadas e escritas segundo a ortografia da norma europeia anterior ao Acordo Ortográfico de 1990.
  2. A base do dicionário foi alterada a 1 de Abril de 2009, pelo que as referências em dúvidas anteriores a esta data podem não corresponder ao conteúdo actual. As respostas sobre questões ortográficas são maioritariamente baseadas na norma ortográfica portuguesa de 1945, contendo as respostas mais recentes indicações sobre a ortografia antes e depois do Acordo Ortográfico de 1990.
  3. A bibliografia utilizada está disponível aqui.